Jovens bruxas de araque

20 10 2019

Como boa cria dos anos 80/90, me delicio relembrando a cultura pop daquela época. Vivi tudo que pude intensamente: Xou da Xuxa, Os Trapalhões, disquinhos coloridos, Balas Soft, mochila da Company e todo tipo de filme, literatura e música que eu podia absorver via locadora de vídeo, biblioteca pública e MTV.

jovens-bruxas_t5212

Hoje acho essas lembranças em perfis no Instagram e dia desses uma dessas URLs me trouxe o filme Jovens Bruxas (The Craft – EUA, 1996) junto com uma história que naquela época parecia ridícula, mas hoje seria capaz até de transformar aquela turma em celebridade do YouTube.

O filme chegou aqui no Brasil em 1997. Eu estava no 2º ano do ensino médio em uma escola pública de Belo Horizonte com todo tipo de estereótipo possível em suas versões tupiniquins. Tinha os populares que ‘transgrediam’ as normas fumando; tinha as gostosas que bebiam sem ter idade e ‘namoravam’ caras mais velhos que tinham carros; tinha os nerds estranhos com caspa e óculos quebrados (JURO); tinha os otários ultra babacas torcedores de futebol; tinha os CDFs e tinham aqueles que não cabiam em lugar nenhum porque eram muito apagados para terem qualquer rótulo. Nessa faixa aí, quase no time dos CDFs, estava eu. Continue lendo »





Adeus, querida Quebrada

16 03 2017

Tchau, apê…

Mês passado despedi-me do meu velho apartamento no bairro Concórdia, ao qual eu havia carinhosamente apelidado de “Quebrada”. Apesar de hoje morarmos em um bem maior e mais bem localizado, foi uma sensação estranha ver aquela caixa de fósforos tão querida vazia e cheia de sujeira pelos cantos.

Poderia ser só um apego sem sentido se me mudar para aquele pequeno apartamento sem vaga de garagem não tivesse significado uma ruptura com a minha zona de conforto e um passo que me exigiu muita coragem para vencer todos os “e se?” que aparecem quando você não é o tipo que se joga em desafios. Continue lendo »





E esses espaços todos?

20 07 2014

Semana passada completei um mês morando sozinha. E, ao contrário do que muitos apostaram (rá!), não, eu não morri de fome; não, eu não fico levando minha roupa para a minha mãe lavar; não, minha casa não virou um chiqueiro; não, a minha geladeira não tem só água, ovo e cerveja; não, minha casa não virou um “abatedouro” nem um Q.G de festas.

Nada disso. A vida segue como sempre e eu sigo reparando detalhes engraçados, que você não percebe na vida em família. Como a questão dos espaços.

Como eu disse daquela vez, “o apartamento é grande o suficiente para ter cara de casa própria, mas pequeno o necessário para me fazer sentir aconchegada” – mas, ainda assim, estranho a quantidade de lugares vazios, sem nada neles. E sem precisar necessariamente ter alguma coisa neles. Continue lendo »





O arroz é o sinal

5 07 2014

Depois de muito planejar, enrolar, adiar, desistir e retomar, finalmente vim morar sozinha.

Cheguei aqui depois de muita pesquisa e de muito esperar. E enfim achei! O apartamento é grande o suficiente para ter cara de casa própria, mas pequeno o necessário para me fazer sentir aconchegada; está rodeado por linhas de ônibus para praticamente toda a cidade e agora não levo mais que meia hora para chegar ao trabalho; está exatamente na metade do prédio, o que me dá uma boa vista e um isolamento razoável do som da rua; está perto de muitos comércios e das casas das pessoas que me importam – e ainda por cima Continue lendo »








%d blogueiros gostam disto: