Adeus, querida Quebrada

16 03 2017

Tchau, apê…

Mês passado despedi-me do meu velho apartamento no bairro Concórdia, ao qual eu havia carinhosamente apelidado de “Quebrada”. Apesar de hoje morarmos em um bem maior e mais bem localizado, foi uma sensação estranha ver aquela caixa de fósforos tão querida vazia e cheia de sujeira pelos cantos.

Poderia ser só um apego sem sentido se me mudar para aquele pequeno apartamento sem vaga de garagem não tivesse significado uma ruptura com a minha zona de conforto e um passo que me exigiu muita coragem para vencer todos os “e se?” que aparecem quando você não é o tipo que se joga em desafios. Leia o resto deste post »





E esses espaços todos?

20 07 2014

Semana passada completei um mês morando sozinha. E, ao contrário do que muitos apostaram (rá!), não, eu não morri de fome; não, eu não fico levando minha roupa para a minha mãe lavar; não, minha casa não virou um chiqueiro; não, a minha geladeira não tem só água, ovo e cerveja; não, minha casa não virou um “abatedouro” nem um Q.G de festas.

Nada disso. A vida segue como sempre e eu sigo reparando detalhes engraçados, que você não percebe na vida em família. Como a questão dos espaços.

Como eu disse daquela vez, “o apartamento é grande o suficiente para ter cara de casa própria, mas pequeno o necessário para me fazer sentir aconchegada” – mas, ainda assim, estranho a quantidade de lugares vazios, sem nada neles. E sem precisar necessariamente ter alguma coisa neles. Leia o resto deste post »








%d blogueiros gostam disto: