Cuidado para não matar um sonho

30 12 2013

Estava lendo (de novo) esse texto no blog AnsiaMente, da Carmen Guerreiro (sugiro que você o leia até antes do meu), e lembrei que, quando eu era criança, quis ser desenhista – mas então vieram e mataram meu sonho.

Com a virada do ano aí na porta, época em que muita gente faz promessas e deseja retomar um desejo antigo, ou dar o primeiro passo para um caminho novo, é importante a gente lembrar de não matar os sonhos dos outros.

Com seis anos, em 1987: não é a BatGirl, mas era outra versão da minha mãe

Com seis anos, em 1987: não é a BatGirl, mas era outra versão da minha mãe

Vou me usar como exemplo. Eu nasci sabendo desenhar. É sério. Com seis anos, no jardim de infância, eu já ganhava elogios pelos meus desenhos – lembro de uma vez em que pediram para desenharmos nossa mãe e eu desenhei a minha vestida de BatGirl, com o uniforme completo (só errei o lado para o qual o joelho dobra, mas ok, em compensação as duas mãos tinham cinco dedos). Continuei assim, fui juntando lápis de cor, tintas, referências, elogios e estrelinhas das professoras e amigos da escola. Pedia para a minha mãe trazer do trabalho aquelas folhas enormes de formulário contínuo e adorava aqueles cartazes de propaganda eleitoral, porque eram enormes e o verso era uma ótima tela. Continue lendo »





A “profissão mais antiga do mundo” também é profissão

31 01 2013

[gostaria de não levantar polêmicas – por pura preguiça – mas… é um risco que se corre]

Tenho acompanhado a discussão e a histeria geradas em torno do projeto de lei do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) – também conhecido como Lei Gabriela Leite – que regulamenta o exercício da prostituição no Brasil e, devido a tudo que já vi sobre grupos historicamente marginalizados e sempre pré-julgados (obrigada, estágio no Conselho Regional de Psicologia-MG), quis dar minha humilde opinião também.

Jean Wyllys

Jean Wyllys chocou ao dizer que 60% dos parlamentares contratavam prostitutas. Mas quem é que ainda tinha alguma dúvida disso?

Na verdade, não é bem uma opinião, é mais uma pequena introdução a um texto muito bom da Monique Prada, ela mesma profissional do sexo, a respeito do tema. Continue lendo »





Quem tem medo do Rio de Janeiro?

5 06 2011

Quando soube que cobriria um evento em um hotel no Centro do Rio de Janeiro, minha primeira reação foi pensar em como me proteger da propalada violência urbana da capital carioca. Antes disso, eu só tinha ido ao Rio duas vezes, sempre fora do centro e sempre de carro, indo só aos lugares para turistas, digamos (mas não conheço o Cristo Redentor até hoje) – e como lá o bicho já pegava, achava que no Centro a coisa seria pior. Continue lendo »








%d blogueiros gostam disto: